Ana Maria Galheigo

Jornalista e pedagoga católica, Cooperadora Paulina para o Evangelho, participa da Pastoral da Comunicação na Paróquia de Santo Afonso, na cidade do Rio de Janeiro 

Vídeos

This page require Adobe Flash 9.0 (or higher) plug in.

Calendário

 Out   Novembro 17   Dez

DSTQQSS
   1  2  3  4
  5  6  7  8  91011
12131415161718
19202122232425
2627282930 
Julianna Walker Willis Technology

Busca

Acesso Restrito



Vejam no texto da Irmã Helena Corazza, fsp a participação de Thiago Alberione no Concílio Vaticano II

Alberione e a comunicação no Concílio Vaticano II 

   

"Quando se pensa em Alberione e sua marca comunicacional na Igreja, dando-lhe o predicado de profeta da comunicação, em nosso imaginário está presente a famosa frase muito repetida: Mi protendo in avanti (Lanço-me para frente!). Alberione não só abriu caminhos para sua própria família religiosa, mas abriu estradas, infovias, diríamos hoje, para a presença da Igreja na sociedade. 

 

A influência de Alberione foi igualmente decisiva no Concílio Vaticano II, onde lançou desafios permanentes para a comunicação eclesial, como podemos ver em uma de suas propostas: Os meios audiovisuais estabelecem na comunidade uma nova forma de presença e de participação que é oportuno ter em consideração. 

 

Em 4 de dezembro de 1963 toda Igreja celebrou a aprovação de dois importantes documentos do Vaticano II: o decreto Inter Mirifica sobre os Meios de Comunicação, e a Constituição Dogmática Sacrossantum Concilium sobre a Liturgia. Foram, ao todo, 16 documentos emitidos pelo Vaticano II (1962-1965). Eles representam resultados palpáveis desse grande evento que marcou a Igreja e a história. E para se obter resultados bons e duradouros, tudo dependeu de uma cuidadosa preparação. 

 

É essa a parte que menos se conhece do Concílio, inclusive sobre a participação e influência do fundador da Família Paulina, o bem-aventurado padre Tiago Alberione. Somente ele apresentou 24 propostas ao Concílio (no final do artigo). 

 

Em 18 de junho de 1959, três anos antes da realização do Vaticano II, o cardeal Domenico Tardini, presidente da Pontifícia Comissão Ante-preparatória do Concílio, a pedido do papa João XXIII, enviou carta aos bispos e superiores gerais de congregações religiosas, convidando-os a darem suas sugestões e pareceres para o futuro Concílio. 

 

Como superior geral e fundador de congregações religiosas, Alberione também recebeu o convite e enviou suas propostas participando entre os 2.500 padres conciliares, do evento teve início em 11 de outubro de 1962. Ele esteve presente quase todo o tempo, ouvindo as discussões e fazendo seus apontamentos, enviando mais cinco intervenções por escrito e assinando, mais quatro, junto com outros Padres.

Sensibilidade pastoral 

 

As propostas enviadas por Alberione ao Vaticano II, demonstram o quanto ele estava inserido na realidade do seu tempo, o quanto percebeu os desafios para as pessoas de Igreja e a pastoral, chamando a atenção para a oportunidade pastoral e a necessidade de mudança para acompanhar os tempos. 

 

Entre as propostas, pode-se observar a preocupação de Alberione em relação à missão da Igreja ad gentes, àqueles que ainda não estão incluídos no Cristianismo, por isso, o pedido de incentivar o diálogo também com os não cristãos. Além de sua preocupação em relação a aspectos teológicos da mediação de Maria, Alberione mostra intensa inserção e sensibilidade pastoral e em relação às pessoas: vida religiosa, estudos, formação e vida comunitária para os sacerdotes diocesanos, estágio pastoral aos seminaristas, entre outros. 

 

Mesmo nas propostas em relação à liturgia, observa-se a sensibilidade pastoral, sobretudo em relação à linguagem. Na proposta, n. 18, ele pede que a missa seja rezada em língua vernácula, ou seja, a língua de cada país, de cada cultura. Outro aspecto comunicacional é em relação à homilia na missa, sobretudo, aos domingos. 

 

Em quase 50 anos de trabalho, o profeta da comunicação sabia muito bem o que significou abrir caminhos na Igreja no campo da comunicação, fundando duas congregações com o carisma específico de evangelizar com os meios de comunicação (Paulinos e Paulinas). Depois de um trabalho já organizado em nível congregacional, um dos seus pedidos refere-se à organização deste apostolado na Igreja: Um novo dicastério para os instrumentos de comunicação social , que inclua todos os meios de comunicação. 

 

Foram apresentadas apenas duas propostas neste sentido e, uma delas, de Alberione. Afinal, a comunicação precisava ser reconhecida e alcançar a sua cidadania. E isso aconteceu com o decreto Inter Mírifica que ao número 19 diz: O Sumo Pontífice, no exercício de sua ação pastoral junto aos meios de comunicação social, crie um secretariado especializado da Santa Sé. Em 2 de abril de 1964, Paulo VI transformou esse secretariado Pontifícia Comissão para as Comunicações Sociais. Hoje, chama-se Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais; é ele que publica os documentos sobre a Comunicação. 

 

Novas formas de expressão pela mídia audiovisual 

 

Mas uma proposta de Alberione que é um problema pastoral ainda não resolvido na Igreja atual é a de n. 19: missas transmitidas através do Rádio e da Televisão, agora também pela Internet. 

 

Pelo texto, percebe-se a cautela nas palavras, mas, nem por isso, são menos ousadas: Parece desejável que se conceda, para satisfazer o preceito festivo, a validade da assistência da missa transmitida com os meios audiovisuais, em determinadas e bem definidas circunstâncias ( por ex. para os encarcerados...). Na sua versão original, que se conserva nos arquivos, Alberione exemplificava: As Irmãs de clausura para as quais não há sacerdotes suficientes. E ainda, para aqueles que não podem ir à Igreja, podem acompanhar pelo rádio ou TV. 

 

Há uma razão notificada pelo profeta da comunicação, que continua desafiando a prática pastoral nos dias atuais e faz pensar: Os meios audiovisuais estabelecem na comunidade uma nova forma de presença e de participação que é oportuno ter em consideração. 

 

De fato, a Igreja católica organizou suas comunidades em base a uma forma de comunicação presencial. Hoje há que se considerar as novas formas de comunicação que se estabelece entre as pessoas, as comunidades virtuais. Pelo contato com ouvintes e telespectadores percebe-se que eles e elas rezam acompanhando programas de rádio e televisão com a mesma ou maior intensidade do que, às vezes, estando numa igreja. 

 

Nas pesquisas da comunicação observa-se que a validade da assistência da missa transmitida com os meios audiovisuais, sobretudo em circunstâncias em que a pessoa não pode participar da comunidade, é uma questão aberta. E isso demonstra que ainda não se incorporou, na Igreja, a tão decantada cultura da comunicação. A palavra de Alberione é certamente essa: Lancem-se para frente! Busquem novos caminhos e novos sentidos para que a comunicação se coloque a serviço da vida, para que o Evangelho esteja presente no coração de cada cultura. "

 

Propostas de Alberione ao Concílio Vaticano II 

 

1. Mediação universal de Maria 

2. Estudos teológicos e prática pastoral 

3. Adaptação do Catecismo aos nossos tempos 

4. Facilitar o relacionamento com os não católicos 

5. Caminho apostólico-pastoral para a evangelização dos infiéis 

6. Evitar o excessivo nacionalismo entre os fiéis 

7. Breviário como caminho espiritual dos sacerdotes 

8. Homilia obrigatória na missa de preceito e na língua do povo 

9. Bíblia com notas catequéticas 

10. Maior poder aos bispos e aos superiores gerais para diminuir a burocracia 

11. Jurisdição eclesiástica aos Superiores gerais 

12. Favorecer a atividade internacional no apostolado dos leigos 

13. Inserir no Direito Canônico o que se estabelece para os Institutos seculares 

14. Um novo dicastério para os instrumentos de comunicação social 

15. Problemas na formação clerical e religiosa 

16. Métodos na formação clerical e religiosa 

17. Reformular a Liturgia da Missa, sobretudo dominical 

18. Uso da língua vernácula nas ações litúrgicas 

19. Validade para a participação em missas transmitidas por rádio e televisão 

20. Missa do Divino Mestre para a Igreja 

21. Cooperação entre o clero diocesano e religioso 

22. Vida comum do clero diocesano, sobretudo para os neo-professos 

23. Incentivar os sacerdotes a participarem de institutos seculares 

24. Um código litúrgico oficial

 

* Helena Corazza pertence à congregação das Irmãs Paulinas. Jornalista, Mestra em Ciências da Comunicação pela USP, diretora do Sepac (Serviço à Pastoral da Comunicação). Membro do Conselho deliberativo da RCR e da Equipe de Reflexão do Setor de Comunicação Social da CNBB, autora de diversos artigos e livros, entre eles Comunicação e Relações de gênero em práticas radiofônicas.